Parece que as marcas finalmente descobriram a importância de criar aplicativos que proporcionem uma excelente experiência para o usuário — mas não são todas as empresas que acertam.

Mesmo que alguns conceitos de experiência de usuário (UX, na sigla em inglês) para web sejam aproveitados no desenvolvimento de aplicações mobile, é fundamental conhecer boas práticas próprias do design de aplicativos. Estes princípios de UX para apps móveis, quando aplicados, resultam em melhores projetos e em mais engajamento.

Com tantos aplicativos disponíveis, lançar uma ferramenta boa não basta para a construção de marca ou conversão: é preciso criar um app bem feito. Para se ter uma ideia, o índice de esquecimento de aplicativos (chamado de app-nésia) é gigante: segundo uma pesquisa do Google, um em cada cinco apps instalados é esquecido pelos usuários do Reino Unido (nas categorias compras, restaurantes, delivery e viagens).

Já mostrei aqui alguns dados adicionais sobre a retenção de aplicativos de várias categorias. Spoiler: o resultado não é muito bom. Como, então, aperfeiçoar a experiência do usuário, evitar o esquecimento da sua aplicação e ainda estimular a conversão?

Abaixo, separamos 7 princípios de UX para apps móveis, sendo alguns deles recomendados pelo Google.

#1 Elimine obstáculos de utilização

Se for possível, elimine todos os obstáculos de utilização e adesão que sua aplicação possa ter. Uma das maneiras de conseguir isso é testando o app em um dispositivo móvel. Não dá para confiar na tela do computador. Leve em conta tamanho dos textos, contraste, tamanho dos botões, etc. Para testar e fazer as correções necessárias, você pode utilizar ferramentas como o LiveView (iOS) ou o Android Design Preview.

Ux para aplicativo iOS

#2 Mostre uma tela inicial funcional

É preciso pensar nas funcionalidades da tela inicial que levem os usuários a completar tarefas prioritárias facilmente e completar sua jornada de acordo com suas expectativas. Isso inclui uma navegação fluida e consistente por todo o aplicativo. Na configuração padrão, o conteúdo secundário deve estar escondido, mas disponível através de cliques e deslizes.

netflix header: tela funcional

Esse aplicativo da Netflix dispensa comentários. Além de a tela inicial mostrar um programa que você estava assistindo anteriormente e possibilitar o retorno com um toque na tela, ainda há listas de filmes, documentários recomendados de acordo com a experiência e uso do usuário.

#3 Elimine esforços

Sabe aquele aplicativo difícil de usar? Ou que tem uma página enorme de instruções de como ser utilizado? Você provavelmente não vai querer que os usuários tenham essa impressão do seu. Por isso, vá com calma e desenvolva algo que seja facilmente compreendido, sem abusar no número de explicações.

Outro esforço desnecessário é a necessidade de login toda vez que o usuário fecha o aplicativo. Essa permissão de se manter logado por bastante tempo elimina o esforço de login manual e erros. Para completar, você troca a conveniência e personalização por dados relativos ao comportamento e histórico do usuário.

Aplicativo LATAM

Este aplicativo da LATAM Airlines saúda o usuário pelo nome. O legal é que, assim que você faz o login uma primeira vez, ele passa a guardar um histórico dos seus voos.

#4 Simplifique decisões de conversão

O usuário deve encontrar rapidamente o que está buscando. Sejam produtos, serviços ou ferramentas, você deve concentrar esforços para facilitar a continuidade da jornada de transação, mesmo que ela passe por vários dispositivos.

ux aplicativo airbn

Com apenas alguns cliques o usuário pode alugar uma casa no Airbnb

#5 Ofereça ferramenta de busca otimizada

Uma boa ferramenta de busca ajuda o usuário a encontrar o que busca de maneira rápida e fácil, de modo que o índice de conversão aumente. Alguns estudos do Google provam que a conversão em aplicativos com possibilidade de busca tem um nível de conversão muito mais alto do que sem busca.

busca otimizada airbnb

Novamente, o aplicativo do Airbnb oferece uma ferramenta de busca fácil de entender, ainda que bem completa.

#6 Otimize a experiência do usuário

Uma dica aqui é agradar os olhos do usuário, sem distraí-lo. Em aplicativos mobile o conteúdo também é rei e por isso toda a importância deve ser focada no conteúdo que o usuário busca. O que está em volta pode se tornar uma distração, e por isso o cuidado deve ser redobrado.

Uma forma de saber como o usuário pensa e utilizaria o aplicativo é fazendo testes de experiência. Assim, você consegue otimizar a experiência e adequar seu app ao comportamento mais comum e esperado das pessoas que o utilizarem.

aibnb experiência otimizada

Mesmo com muitas informações a serem repassadas para o usuário nesta tela, o Airbnb conseguiu novamente não deixar o usuário confuso e otimizar a experiência do usuário

#7 Considere o contexto de uso

Lembre que aplicativos mobile têm uma grande diferença de aplicações para desktop: o usuário pode usar o app enquanto está caminhando, no trânsito, com sol na tela ou em um local barulhento. Mesmo que estas circunstâncias sejam variáveis, podem se tornar uma vantagem para o seu aplicativo se você souber utilizá-las ao seu favor.

contexto de uso duolingo

Um bom exemplo é o Duolingo, aplicativo para aprendizagem de idiomas. Quando o usuário não puder falar, existe uma opção para fazer o exercício de pronúncia mais tarde. Isso significa que se você utiliza o aplicativo em um local público, como o metrô, não será interrompido nem prejudicado porque há pessoas em volta.

Como testar a experiência de usuário

Os princípios de UX para apps móveis não se limitam a apenas sete. Há muitas falhas ao criar uma aplicação que podem ser corrigidas facilmente e de forma gradual seguindo preceitos de UX. O importante é detectar erros e incorporar boas práticas no dia a dia de trabalho. Por isso, testar interfaces é um processo fundamental antes de lançar uma aplicação.

Outra dica é refletir sobre a interface. Muitas vezes, você perde ao personalizar um elemento que já é bem conhecido dos usuários de um determinado sistema operacional. Outras vezes, em vez de explicar o funcionamento de alguma função com ajuda visual, é melhor resolver a dificuldade de outra forma.

Seja qual for a decisão tomada, questionar constantemente cada elemento adicionado ao processo de design vai diminuir a quantidade de erros e contribuir para uma interface mais robusta, coerente e consistente.

Quais princípios de UX para apps móveis você utiliza? Qual é o mais relevante? Comente!

  • aferrari

    Excelente conteúdo! Parabéns!

    • Julio Viegas

      Valeu Alexandre! Grande abraço.

  • Pedro Domingues

    Considero o tema tão importante quanto o desempenho das aplicações.

    Quem pretende ter uma ferramenta (web/mobile) que venda produtos ou ofereça serviços, tem que proporcionar uma experiência prazerosa e intuitiva de uso, sob pena de cair no esquecimento e queimar o canal.

    A navegação tem que ser fluída, as informações relevantes tem que estar à vista e disponível,

    Me chamou a atenção o primeiro item: “Elimine obstáculos de utilização”. Dentro desse tópico o processo de login é muito importante. Ajuda muito a opção de login pelas redes sociais.

    O diabo mora nos detalhes.

  • Sérgio Cambraia

    Olá, parabéns pelo site. Excelentes artigos. Cabe a ressalva que não sou da área de TI. Mas sou curioso e os textos, são claros e objetivos, inclusive, para leigos, como eu.