Qual é o futuro da tecnologia da informação? Acompanhar a evolução e as projeções da área de TI é essencial para as empresas que querem aumentar sua competitividade. Afinal, com a onda da transformação digital, a tecnologia se tornou central para o sucesso de um negócio.

Inteligência artificial, internet das coisas, cloud computing, blockchain ― essas tecnologias já são consideradas tendências há alguns anos. Cada vez mais, elas se consolidam como base da eficiência do desenvolvimento de software e da qualidade da experiência do usuário. Nesse contexto, a área de Quality Assurance (QA) também tem essas tendências e enfrenta os mesmos desafios.

Neste artigo, falo de quatro grandes tendências de TI e os desafios que elas apresentam ao Quality Assurance. Vamos entender agora o que a área de QA precisa para se alinhar ao futuro da tecnologia da informação:

1. Experiência do usuário como prioridade

Nas últimas décadas, o usuário se tornou cada vez mais exigente. Se antes ele tinha poucas opções de marcas e pouco conhecimento sobre produtos e tecnologias, hoje ele tem toda informação na palma da mão. Por isso, as empresas aprenderam que a satisfação do usuário é o ponto central para o sucesso de uma organização.

Assim como outros departamentos, a área de TI também deixou de olhar apenas para softwares e infraestrutura e passou a focar na qualidade da experiência do usuário. É isso que deve direcionar todas as estratégias.
Essa tendência já vinha se fortalecendo nos últimos anos e agora se consolida. É isso que mostram os resultados do estudo World Quality Report 2018-19, realizado pelas empresas Capgemini, Micro Focus e Sogeti.

A pesquisa com 1.700 executivos de 32 países revelou também que, pela primeira vez, a satisfação do usuário final é apontada como o principal objetivo da estratégia de QA e testes.

Esse dado mostra que a área de Quality Assurance está cada vez mais alinhada com os objetivos do negócio, o que evidencia uma transformação. Em vez de se preocupar apenas em encontrar falhas e problemas, ela passa a se concentrar também na garantia de satisfação do usuário final.

Hoje o principal desafio dessa área é trazer o olhar e as expectativas do usuário para todo o processo de desenvolvimento e, assim, garantir a qualidade em performance, usabilidade, acessibilidade e segurança.

2. Novas habilidades e abordagens de testes em inteligência artificial

A inteligência artificial (AI) permite criar experiências únicas para os usuários de canais digitais. Seu papel é aprender cada vez mais sobre comportamentos e preferências e oferecer melhores soluções para cada pessoa, tudo de forma automática.

No entanto, o aprendizado automático exige das equipes de testes habilidades que ainda precisam ser desenvolvidas. O artigo Testing of Artificial Intelligence destaca os seis ângulos de qualidade necessários para testar AI.

Os três primeiros ― mecânico, elétrico e processamento de informações ― são as habilidades tradicionais, para as quais já há conhecimento e experiência. Já os outros três ― inteligência de máquina, impacto nos negócios e impacto social ― englobam as novas habilidades requeridas das equipes de testes para trabalhar com inteligência artificial.

Então, para as equipes realizarem testes de AI, um dos maiores desafios está na imprevisibilidade das máquinas inteligentes, diferentemente dos sistemas tradicionais de TI, que permitem prever seu comportamento.

Outro desafio é garantir o impacto positivo dos testes de AI para os processos e resultados dos negócios. Se a tecnologia inteligente se tornou mais disponível, é preciso garantir qualidade para um mercado cada vez mais amplo.

Além disso, as equipes de testes de AI também devem mirar no impacto social das aplicações, com o propósito de melhorar a qualidade de vida das pessoas. Isso requer habilidades de percepção dos efeitos da tecnologia sobre os indivíduos e a sociedade como um todo. Portanto, a área de TI também deve se aproximar da psicologia e da sociologia.

3. Crescente adoção das tecnologias IoT, cloud e blockchain

No estudo World Quality Report 2018-19, 97% dos respondentes afirmaram já trabalhar com a internet das coisas (IoT). No ano anterior, o estudo apontava apenas 83%. Em relação a blockchain, a adoção também é alta: 60% disseram que já usam a tecnologia ou planejam usar no próximo ano. E sobre cloud, a pesquisa mostrou que 76% das aplicações são baseadas na nuvem.

Essas novas tecnologias tendem a transformar a área de QA, pois requerem habilidades específicas de infraestrutura, arquitetura e engenharia. Além disso, também demandam estratégias de testes que ainda não são adotadas por grande parte das empresas, embora elas já usem essas tecnologias.

Para dar um exemplo, nesse estudo foi descoberto que, entre as empresas que já têm produtos de IoT, 56% não têm uma estratégia específica de testes para eles. Portanto, o desafio é aumentar a expertise das equipes para avançar na eficiência do uso dessas soluções.

Dispositivo - Internet das Coisas

Outro desafio, nesse cenário, é a segurança dos dados. Para os executivos entrevistados na pesquisa, aumentar a segurança é o aspecto mais importante das estratégias de TI. Mas o crescente uso dessas tecnologias traz também muitas lacunas em padrões e protocolos de segurança. Esse é o lado ruim da internet das coisas, que já discutimos aqui no blog. Por isso, é essencial desenvolver expertise nessas novas tecnologias para cobrir suas vulnerabilidades.

4. Consolidação dos métodos ágeis e DevOps no desenvolvimento

Ainda no estudo World Quality Report 2018-19, 99% dos entrevistados afirmaram já usar o DevOps em pelo menos alguma parte do seu negócio. Esse termo se refere a um conjunto de práticas que visa a integração entre as equipes de desenvolvimento de softwares e de infraestrutura, buscando aumentar a velocidade e a eficiência das operações.

Esse dado mostra que a adoção de métodos ágeis já está consolidada. Apesar disso, poucas empresas são capazes de aproveitar todo o potencial dessas metodologias. Segundo o estudo, os principais motivos para isso são as lacunas na automação dos processos.

Com a implementação de um modelo de DevOps, as equipes trabalham com automatizações de processos que antes eram manuais e lentos. Esse é um dos fatores essenciais para garantir entregas contínuas e aceleradas.

Como as empresas estão se preparando para as tendências de TI

Podemos afirmar com segurança que, nesse próximo ano, que as empresas estarão cada vez mais na focadas na satisfação do cliente. Nesse cenário, a adoção de novas tecnologias e recursos como inteligência artificial, internet das coisas e métodos ágeis torna-se mais importante que nunca.

Com essas novas tecnologias cada vez mais em pauta, a área de Quality Assurance se depara com alguns desafios, conforme tratei neste texto. Trazer o olhar do usuário para todo o processo, considerar o impacto social das aplicações, aumentar a segurança e cobrir as lacunas na automação das operações são algumas estratégias e expertises que as equipes precisam desenvolver para garantir mais agilidade, produtividade e qualidade.

E na sua empresa? Como está a preparação para aderir às novas tendências da tecnologia?

  • Legal essa visão, Bruno!

    A questão da Inteligência Artificial é algo bem interessante quanto a evolução do testes automatizados. Você acredita que será possível as próprias máquinas gerarem o próprio scripts de testes?

    https://inoveteste.com.br