Em projetos de software, não é difícil você esbarrar em alguma liberação de uma grande funcionalidade, esperada por todos, que foi arduamente trabalhada por toda a equipe. E, como na maioria das equipes, o QA acaba com a grande responsabilidade de encontrar todas as possíveis falhas ou sugestões de melhoria no menor tempo possível para corresponder às expectativas de todos.

A boa notícia é que, com um time colaborativo e unido, surge a oportunidade de promover um Bug Bash!

O Bug Bash é uma estratégia colaborativa de testes que visa aproveitar os diferentes perfis de usuário de todos os integrantes da equipe envolvida com o desenvolvimento do produto, independente de função ou cargo, para testarem, em um curto espaço de tempo pré-estabelecido, uma determinada funcionalidade ou nova versão do software.

Com a união de todos os poderes, é possível reunir uma grande quantidade de pontos de atenção em um curto espaço de tempo, além de possibilitar que todos os integrantes se familiarizem com a nova versão do produto que tanto aguardam.

Para efetuar um Bug Bash, é necessário muita organização e preparo para que o objetivo seja alcançado no tempo estabelecido, afinal o tempo de todos costuma ser bem precioso e não queremos desperdiçar o recurso.

Para facilitar, podemos separar o evento em três grandes passos, descritos a seguir.

Preparação

Em primeiro lugar, defina qual será o objetivo da ação, como, por exemplo, testar a usabilidade de uma nova página ou até mesmo verificar a estabilidade de uma nova versão e quais os resultados esperados.

Marque com os participantes um horário para que todos possam participar sem interrupções externas. É improvável que surja um horário magicamente que encaixe todos os participantes, então negocie com seu time e lembre-os da importância e dos objetivos que pretendem alcançar com a ação. Lembre-se de reservar o horário com folga, para a abertura e encerramento do grande evento.

Precisamos separar algum local para organizar o que será solicitado dos participantes. Como o tempo será curto, fique ciente de que tudo precisa estar ao alcance de todos e de forma facilitada.

Organize uma planilha estruturada e defina quais são as informações que serão solicitadas dos participantes para o registro dos bugs ou sugestões de melhoria encontradas. É importante que os dados solicitados não sejam demasiadamente grandes, encurtando o tempo de execução, ou insuficientes, dificultando o consumo das informações coletadas.

Um título bem escrito, uma evidência em vídeo ou prints explicativos e os detalhes do ambiente são informações básicas para qualquer escrita de tarefa, mas essas informações podem variar de acordo com seu projeto.

Execução

Chegado o grande dia, faça uma apresentação curta de abertura, explicando os objetivos, o tempo limite e as regras de registro das informações. Mostre-se disponível e tenha em mente que, enquanto QA, você precisará estar disponível durante todo o evento para tirar dúvidas e orientar os participantes, então fique ciente de que é possível que não haja muito tempo para você colocar a mão na massa.

É importante deixar os participantes livres para testar dentro dos limites do objetivo, mas a depender do projeto, faz bem disponibilizar um pequeno checklist, ou até mesmo sua planilha de regressão, para que os participantes possam se guiar com mais clareza.

Durante a execução procure focar prioritariamente em deixar os participantes confortáveis, sanando suas dúvidas e incertezas, e acompanhe os resultados para aparar as arestas que possam vir a acontecer como um desvio de foco no objetivo dos testes. Lembre-se que o tempo urge e a Sapucaí é grande 🕺.

Finalizado o tempo limite, convoque todos os participantes, colha o feedback de todos sobre a experiência e agradeça o tempo despendido. Se preferir passe um pequeno formulário para coletar os feedbacks de forma anônima, mas estimular a conversa pode ser uma ótima oportunidade de promover a cultura da qualidade no time. Agarre essa chance e brilhe no discurso.

Refinando os resultados

Agora é hora de colher o que plantou.

Não demore muito para executar a terceira etapa – é preciso refinar os dados enquanto todos estão com a memória fresca sobre as informações coletadas. Em alguns casos será necessário atuar com os participantes individualmente para entender pontos de vista ou colher mais informações sobre seus pontos documentados.

Conte com a ajuda das pessoas responsáveis pelo produto e com a liderança do desenvolvimento para elencar os pontos mais importantes a serem corrigidos e definir se as sugestões de melhoria podem ser inseridas no backlog do projeto ou descartadas. Não esqueça de documentar tudo na sua ferramenta de gestão de fluxo.

Ao fim de tudo, monte uma pequena apresentação para mostrar para o time os resultados do Bug Bash. O feedback para os participantes vai influenciá-los a participar mais vezes e deixá-los orgulhosos da empreitada. (imagem de celebração)

O Bug Bash gera uma ótima sensação de inclusão para os outros integrantes do time, além de benefícios diretos na qualidade do software. A sinergia gerada com o evento dissemina a responsabilidade de todos pela entrega qualitativa, e o time passa a enxergar mais cenários para situações comuns do dia a dia.

Em termos práticos com um único evento você consegue: 

  • Várias visões diferentes das geradas pelo time de teste;
  • Uma grande lista de dados que podem ser utilizados para refinar seu produto;
  • Promoção de união e espírito de equipe;
  • Acender a cultura da qualidade da sua equipe.

Em um dos projetos aqui da Sofist, recentemente obtivemos sucesso aplicando o Bug Bash em um cenário onde a evolução do produto estava sendo deixada de lado pela priorização em outros aspectos.

O evento durou apenas 1 hora e meia e contou com 11 participantes de áreas variadas (entre QA’s, designers de produto, desenvolvedores, product owners e profissionais de SEO). Nessa ocasião coletamos 111 pontos de atenção e melhorias, que ajudaram o time a decidir qual missão precisava ser seguida para a revitalização do produto.

A equipe agora segue engajada para promover a melhor experiência para o usuário com maior responsabilidade na qualidade. 😀

Não acha que vale a pena tentar? Conta pra gente como foi essa experiência no seu projeto!