O início de fevereiro não chegou trazendo somente o Carnaval, mas também uma notícia que agitou o mercado da moda no Brasil: a fusão Arezzo e Grupo Soma, criando uma gigante do segmento.

A Arezzo&Co – que reúne marcas como Arezzo, Schutz, Anacapri, Alexandre Birman, Reserva e Vans, entre outras – e o Grupo Soma – que agraga Hering, Animale, Farm, Fábula e Foxton, entre outra marcas – confirmaram, no dia 5 de fevereiro, a fusão que cria um império com faturamento de cerca de R$ 12 bilhões, 34 marcas e mais de 2 mil lojas. O comunicado que aborda tais cifras foi enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) na mesma data, uma vez que ambas as empresas possuem ações negociadas na Bolsa de Valores (ARZZ3 e SOMA3).

Veja como a Arezzo&Co trata qualidade na companhia

Veja como a Hering melhorou a experiência de uso do sistema B2B

Na prática, a fusão Arezzo e Grupo Soma será, após as devidas aprovações de praxe, como a avaliação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a maior operação desta natureza no varejo desde a união da Droga Raia com a Drogasil, em 2011.

A nova empresa terá quatro verticais de negócios: calçados e bolsas; vestuário e lifestyle feminino; vestuário e lifestyle masculino; e vestuário democrático. Na liderança corporativa, a nova companhia será conduzida de maneira conjunta pelos atuais acionistas da Arezzo&Co e do Grupo Soma.

Como em toda fusão, há muitos desafios envolvidos. São culturas, processos, organizações diferentes e um dos aspectos cruciais para unir operações de grandes empresas já consolidadas é a tecnologia. Como preservar a experiência do usuário tanto no meio físico como nos canais digitais?

Nesse âmbito, porém, a fusão Arezzo e Grupo Soma, a julgar pelas marcas que são os carros-chefe das companhias (Arezzo e Hering), já sai na frente. Ambas as empresas possuem uma estrutura de qualidade de software que solidifica as bases para o desempenho de seus sistemas e processos tecnológicos. 

Fusão Arezzo e Grupo Soma: um ecossistema digital consolidado na Arezzo

Em 2014, o faturamento dos canais online da Arezzo&Co era de R$ 43,8 milhões. Após um intenso investimento em implementação de uma Cultura de Qualidade, priorizando a excelência em todas as etapas de desenvolvimento de produto, esse valor já supera R$ 1 bilhão.

E como isso aconteceu? Em 2014, a Arezzo&Co trazia para o Brasil uma plataforma de e-commerce internacional e precisava testá-la. Com esse objetivo, a empresa contratou a solução One Day Testing, método exclusivo da Sofist, que apoiou na geração de feedbacks de maneira rápida e precisa.

[Podcast E agora, TI] Maurício Bastos, CDO da Arezzo&Co, reforça importância da qualidade de software na jornada digital

Com o amadurecimento das práticas em qualidade de software, a Arezzo&Co alcançou resultados expressivos, como:

  • Realizar testes complexos de maneira mais rápida e estratégica;
  • Garantia de escalabilidade e robustez, gerando estabilidade para clientes;
  • Suporte ao crescimento de até 10 vezes um fluxo de Black Friday;
  • Apoio na validação de jornadas customizadas para conexão do físico com o digital;
  • Parceria no crescimento da operação, apoiando implementação de nova plataforma de e-commerce.

“É uma parceria que se adapta conforme o desafio. Isso foge do protocolo de uma relação entre cliente e fornecedor. Está muito mais ligado a uma visão estratégica de negócio, que é fazer o que for necessário, sem se limitar a um escopo ou um desenho pré-concebido, resolvendo os problemas de fato”, analisa Maurício Bastos, CDO da Arezzo&Co.

Fusão Arezzo e Grupo Soma: qualidade de software aumentando as vendas na Hering

Com mais de 140 anos de história, a Cia. Hering é a maior rede de franquias de vestuário do Brasil. Com o objetivo de evoluir sua plataforma tecnológica, a companhia se viu diante do desafio de melhorar a experiência de uso do seu sistema de vendas.

Para tanto, a Hering, dentro de um contexto de lojas espalhadas por todo o Brasil e um e-commerce muito acessado, necessitava validar toda a estrutura do seu Integration Hub, revisando a quantidade de mensagens e volumetria de dados suportada.

“A gente validou o circuito inteiro para garantir que toda a estratégia de integração está rápida, fluida e com a qualidade que a gente precisa”, comenta o Head de IT da Cia. Hering, Marcelo Costa.

Com essa estratégia de qualidade, os resultados não demoraram a aparecer. Antes da estrutura atual utilizada pela Hering, um pedido levava, em média, 8 minutos para ser processado e o vendedor receber uma confirmação para sua venda. Com a nova experiência de uso, reformulada com o apoio da Sofist, esse tempo caiu para 1 minuto e meio. Na prática, o desempenho comercial, naturalmente, foi impactado positivamente e a empresa alcançou conquistas como:

  • Aumento nas vendas: processamento passando de 400 para 2000 peças por pedido;
  • Redução do tempo de processamento do pedido de 8 para 1 minuto e meio;
  • Melhoria da experiência de uso do sistema de vendas;
  • Validação da estrutura do Integration Hub, quanto à volume de mensagens e volumetria suportada;
  • Conscientização da cultura de qualidade entre desenvolvedores;
  • Garantia de carga e volumetria de acessos para Black Friday.
Fusão Arezzo e Grupo Soma

Os desafios da fusão

Segundo analistas do mercado, a fusão Arezzo e Grupo Soma segue uma tendência do setor já vista em países desenvolvidos: a criação de grandes conglomerados de moda. No entanto, ainda não ocorrida no Brasil.

Outro aspecto destacado no mercado é a concorrência de empresas asiáticas, como a chinesa Shein. A gigante, recentemente, anunciou um investimento de R$ 750 milhões para produzir localmente no Brasil, diante do cerco do governo federal contra sites asiáticos.

Como se não bastasse a concorrência nacional, especialmente nos e-commerces e marketplaces, os players internacionais acirram a disputa pela atenção do consumidor. Nesse cenário, a experiência do usuário é fator determinante para o sucesso ou fracasso de um negócio.

Internamente, o alinhamento das empresas é apontado como um grande desafio pelos especialistas. Por outro lado, redução de custos, mais poder de negociação com fornecedores e complemento de estratégias de marcas são alguns dos méritos da transação, segundo analista ouvido pelo O Globo.

A  fusão Arezzo e Grupo Soma é comparada pelos especialistas ao último grande movimento do tipo no varejo, entre Raia e Drogasil. Para eles, há um bônus em dividir o bolo, somar e reduzir custos de uma operação que é muito similar..

Agora, é observar os próximos passos da gigante que está nascendo. E, como em uma família bem estruturada, os bons exemplos já estão dentro de casa.

Leave a Reply