Para quem envia, elas conseguem potencializar o engajamento com o aplicativo. Para quem recebe, oferecem um conteúdo de valor sobre o que acontece app. Estou falando das push notifications, que trazem vantagens para empresas e usuários, mas demandam cuidado para não frustrar com mensagens excessivas e/ou irrelevantes.

Push notifications são mensagens curtas, enviadas em tempo real ao usuário de um produto digital ― neste artigo, vou falar especificamente de aplicativos mobile. Quando abertas, direcionam para uma tela do app, uma página da web ou outro local que entrega o conteúdo completo.

A intenção desse recurso é oferecer uma informação relevante para o usuário e, com isso, gerar interações com o app, que podem aumentar em 88%. Além disso, 65% das pessoas retornam a um aplicativo em até 30 dias quando o envio das notificações é ativado. Sabe aquele problema de muitos usuários deixarem o app esquecido dentro do dispositivo? As notificações ajudam a resolver isso.

Por outro lado, há um grande desafio. Embora a taxa média de opt-in (usuários que optam por habilitar notificações de apps) seja de 67,5%, apenas 7,8% clicam nelas. Esse percentual de cliques, porém, pode aumentar à medida que as empresas compreenderem o usuário, o que ele quer receber e quando devem enviar as notificações push.

Neste artigo, vou ajudar você a identificar a melhor estratégia para as push notifications do seu app. Acompanhe para entender o que você não deve fazer e, em seguida, quais são as melhores práticas.

Push notifications podem ser nocivas ao seu negócio? Entenda agora o que NÃO fazer

Push notification pode ser uma ferramenta valiosa para a melhorar a experiência do usuário com o seu aplicativo. Mas é preciso encontrar a medida certa de frequência, conteúdo e abordagem para os envios. Caso contrário, as notificações podem ser um tiro no pé.

Em aplicativos de viagens, pode ser interessante enviar ofertas de hotéis no destino para o qual a pessoa comprou uma passagem. Para um app de finanças pessoais, um alerta quando o limite do cartão está próximo pode ser bastante útil, não é?

O problema é que as pessoas não têm apenas apps de viagens e finanças instalados no smartphone ― elas têm uma centena deles! O cenário vira caótico quando todos esses aplicativos enviam notificações push todos os dias, o dia inteiro.

Fonte: Wired

A frequência exagerada de envios pode se tornar irritante a ponto de fazer os usuários desinstalarem os aplicativos para não serem mais incomodados. O estudo da Localytics mostra que o envio de 6 a 10 notificações por semana pode fazer 31% das pessoas deixarem de usar o app.

Então, se você está competindo pela atenção do usuário com outras várias notificações, as chances de irritá-lo são ainda maiores se você enviar mensagens irrelevantes, que ele não solicitou ou que não deixam claro o valor que entregam.

Este artigo da Pushmaze, empresa especializada em web e mobile push notifications, elenca os principais motivos que levam as pessoas a desabilitarem as notificações. Além da frequência inadequada, estas são as outras razões:

  • Não apresentar um benefício claro;
  • Enviar as notificações fora de hora;
  • Segmentar o público errado;
  • Enviar mensagens em massa;
  • Utilizar estratégia de click-bait (aquelas chamadas extravagantes que, na verdade, não entregam o que prometem);
  • Segmentar quem receberá as notificação com base nas atividades do usuário no app, em vez de suas preferências.

Portanto, agora você já sabe o que NÃO fazer nas notificações do seu app! Se você não quer aumentar as taxas de opt-out ou até de desinstalação do aplicativo, é bom seguir essas dicas.

Notificações push: melhores práticas no uso

Agora, vamos conhecer as melhores práticas no uso de push notifications. Veja as principais dicas para ter mais engajamento com as notificações do seu aplicativo:

Defina uma frequência adequada para o usuário

Como vimos, a frequência é um ponto sensível para determinar se as notificações push vão trabalhar a favor do seu negócio ou não. De maneira geral, pode-se dizer que “menos é mais”: poucas notificações, com conteúdo de valor, têm melhor desempenho que o envio exagerado.

Mas, afinal, qual é a frequência certa? É preciso considerar a natureza do seu aplicativo e as expectativas dos usuários.

Em um app de notícias diárias, por exemplo, espera-se que as mensagens sejam enviadas com mais frequência. Já um app de mobile commerce não deveria incomodar o usuário com ofertas a toda hora ― a não ser, é claro, que ele solicite isso.

Escolha o melhor horário para enviar notificações push

O sucesso das notificações push também tem tudo a ver com timing. Você não quer, por exemplo, que alguém fique de mau humor porque foi acordado por um alerta do seu app, não é?

Para saber o melhor momento para o envio, é preciso avaliar as preferências dos usuários, bem como o contexto da mensagem. Em aplicativos de transporte, o passageiro espera receber um alerta assim que o motorista aceitar a corrida. Já mensagens de marketing podem considerar os dias e horários em que cada usuário costuma se engajar mais com o app.

Deixe o usuário escolher o que e quando quer receber

Oferecer opt-in e opt-out é uma regra para as notificações push. Elas só devem ser enviadas se o usuário quiser! Mas o poder de escolha dele pode ir além, e ainda ajudar você a identificar as suas preferências para enviar mensagens mais relevantes.

Você pode deixar que o seu público decida em que horários e dias prefere receber notificações, com qual frequência e até sobre quais conteúdos quer ser alertado. A maioria dos usuários prefere receber notificações com base em preferências informadas ao app, àquelas baseadas em suas atividades no aplicativo.

Adote a personalização para entregar mensagens mais relevantes

Mensagens personalizadas tendem a ter um melhor engajamento, já que as pessoas se sentem únicas e especiais: “oh, essa mensagem foi pensada para mim!”.

Por outro lado, um envio massificado gera mensagens indesejadas. Provavelmente, quem está procurando um apartamento barato para alugar não quer saber de imóveis de alto padrão para investimento, por exemplo.

Então, considere o perfil do usuário, a sua localização e as preferências que ele próprio informar, além do seu histórico de compras e navegação no app, sempre de maneira inteligente e com a opção de descadastro.

Além do conteúdo, a personalização das notificações push também diz respeito à linguagem. Chamar a pessoa pelo seu nome, profissão ou até mesmo o signo, por exemplo, aumenta a sua proximidade com ela e as chances de clique na notificação.

Deixe claro por que o usuário deve clicar na notificação

As push notifications têm poucos caracteres para mostrar por que vale a pena clicar nelas. Então, escolha bem as palavras! Estas são algumas dicas importantes:

  • Defina um propósito único para a mensagem e não desvie o foco;
  • Especifique a informação (ex.: “50% de desconto” em vez de “oferta imperdível”);
  • Informe o prazo para a tomada de ação, para criar um senso de urgência;
  • Insira uma chamada para ação (CTA) com uma frase imperativa.

Você poderia, por exemplo, informar que “os nossos produtos estão com desconto”. Mas seria mais persuasivo dizer “20% de desconto em notebooks neste fim de semana. Compre o seu!”. Assim, você deixa claro o valor que a sua notificação entrega.

Enfim, push notifications ajudam a sua empresa a lembrar o usuário: “ei, não esqueça que nosso aplicativo está instalado no seu smartphone, e temos coisas legais para você!”. Porém, insistir nessa lembrança o tempo inteiro, com mensagens irrelevantes, tende a fazê-lo desativar as notificações e até desinstalar o aplicativo. Cuidado com isso.

Portanto, é essencial acertar na frequência, no conteúdo e na abordagem das notificações push para conseguir o que você mais deseja: o engajamento do usuário.